in

ATOM 2.0: um novo regime de emissão otimizado para Estacagem de Líquidos

No início deste ano, desenvolvedores e membros da comunidade Cosmo se reuniram em Medellín, Colômbia, para a conferência Cosmoverse22. Um novo white paper, Cosmo 2.0, foi apresentado, que propõe atualizações radicais para o Cosmos Hub, o principal blockchain da plataforma, e ATOM, o ATOM que alimenta os blockchains do Cosmos.

A equipe do Cosmos disse que a proposta para o novo Cosmos
Hub marcou “um papel renovado para o ATOM como a garantia preferida dentro da Rede Cosmos” e “um novo regime de emissão otimizado para Staking Líquido”.

Anteriormente, o Hub era principalmente um protocolo subjacente para a maioria dos blockchains do Cosmos. Agora, ele agora recebe um papel renovado como a “fonte” da Segurança Interchain, à medida que outros blockchains protegem suas redes através dele. Além disso, o ATOM, o token nativo da rede, recebe um novo mecanismo de utilidade e emissão com sua nova designação agora “Atom 2.0”.

#1. Emissão

O white paper do Cosmos 2.0 propõe um novo mecanismo para a emissão de ATOM que equilibra a adoção e o crescimento entre cadeias com a responsabilidade fiscal “preservando a segurança oferecida pelo regime original”. O objetivo final é aumentar o valor do ATOM.

O método atual ajusta a saída do ATOM de acordo com a quantidade de ATOM apontado. Isso significa que, se o ATOM pontiagudo cair abaixo de um alvo específico, o ATOM emitido aumenta até que também atinja a quantidade apostada em um alvo específico. Se o valor apostado exceder um determinado objetivo, o valor emitido começa a diminuir. Isso é bom para a liquidez, mas ruim para a segurança (já que a aposta também diminui).

Em suma, o Cosmos incentiva as partes interessadas a apostar mais através da emissão de mais tokens, o que fortalece a segurança, mas faz com que a liquidez diminua. Como tal, há um equilíbrio constante entre estaca e segurança.

Isso também significa que uma parte significativa do fornecimento de token está bloqueada para garantir a segurança. O resultado é um enorme fardo de capital que impede o crescimento e impede que mais participantes entrem no sistema. Este problema será resolvido com o armazenamento de líquidos, discutido abaixo.

#2. Estaca líquida

A estaca líquida
é uma alternativa moderna emergente que ignora as desvantagens do método tradicional de estaca. A aposta líquida envolve atividades bloqueadas armazenadas por um serviço, mas para que você ainda possa acessar seus fundos. Os fundos são mantidos como garantia, mas são imediatamente acessíveis no caso de o usuário optar por retirá-los.

Isso difere da aposta tradicional, onde o usuário tem que esperar pela duração do período de bloqueio antes de acessar seus fundos. A aposta líquida tornou-se recentemente popular quando o Ethereum mudou para o teste de apostas (PoS).

A solução de estaca Lido é um ávido usuário de estaca líquida e a introduziu para vários blockchains de Camada 2, incluindo Kusama, Polkadot e Polygon. A BNB Chain agora oferece estacas líquidas para os protocolos Web 3 Ankr, Stader e pStake. A Coinbase, a maior exchange de criptomoedas dos Estados Unidos, anunciou recentemente planos para oferecer um token de participação líquida chamado Coinbase-wrapped ETH (cbETH) no futuro.

A aposta líquida resolve o problema da segurança e liquidez. Para a Cosmos, isso melhorará a eficiência do capital, pois os usuários agora poderão apostar no ATOM e, ao mesmo tempo, “usar créditos” em fundos como capital de giro. A Cosmos agora pode direcionar sua atenção para a emissão de tokens e oportunidades, incluindo adoção e crescimento entre cadeias.

#3. Nova Tokenomics

Sob o novo regime, a emissão de tokens terá duas fases: transição e estado estacionário. A fase de transição permitirá que as cadeias de consumidores se juntem à Interchain Security e permitirá que a comunidade desenvolva uma infraestrutura social capaz de lidar com “tesouros consideráveis”. A fase de transição começará quando o Cosmos mudar para a nova política monetária e ocorrerá por 36 meses, após os quais o estado estacionário assumirá o controle e durará indefinidamente.

No início da fase de transição, as emissões aumentarão por nove meses (para 10.000.000 $ATOM por mês) para iniciar o financiamento do tesouro do Cosmos Hub, que apoiará a expansão do ecossistema.

A emissão diminuirá gradualmente a partir de nove meses e atingirá uma taxa constante (300.000 ATOM mensais) até o final dos 36 meses (uma redução de 97%).

#4. Modelo tarifário

Outra coisa que mudará drasticamente é o modelo de preços do Cosmos. Na configuração antiga, as taxas de transação eram pagas ao Cosmos Hub e distribuídas entre o pool da comunidade, delegados e validadores. Com a entrada da Interchain Security, isso muda.

Uma fração das taxas de cada cadeia irá para o módulo de distribuição do Cosmos Hub e ajudará a proteger todas as cadeias e substituir o atual subsídio de emissão. Assim, a Interchain Security mudará a maneira como validadores e delegados são recompensados.

O Cosmos 2.0 também apresentará um modelo de comissão global, onde primeiro terá uma lista branca de tokens aceitos e taxas mínimas. Estes serão mantidos pela governança do Cosmos Hub. Também implementará uma tarifa ATOM mínima única, com a taxa básica ajustada algoritmicamente em resposta à demanda.

De acordo com o white paper, ele funciona melhor do que a precificação orientada pela governança, que muitas vezes é suscetível a preços de recursos incorretos. Também é difícil determinar o preço de cada token aceito individualmente. Outras aplicações, como o Alocador, podem optar por conceber os seus próprios mecanismos de estrutura de comissões/taxas.

Ecossistema Cosmos – A Internet do Blockchain

Cosmos é uma internet blockchain que facilita a comunicação inter-blockchain (IBC). É um blockchain de nível 1 que permite aos desenvolvedores criar blockchains personalizados construídos no Cosmos Hub.

Cosmos tem sido muito falado ultimamente. A queda dramática da stablecoin algorítmica terraUSD, cujo blockchain Terra foi construído no Cosmos, trouxe a plataforma sob escrutínio. Mas a realidade é que o Cosmos não foi afetado pela Terra (além de perder duas, convenhamos, grandes cadeias no IBC).

Mas também, atraiu atenção positiva quando a exchange descentralizada dYdX abandonou a Camada 2 Starkware da Ethereum e se mudou para ela em junho. A exchange citou a “descentralização, escalabilidade e personalização” da plataforma como a motivação para a mudança.

O relançamento de setembro é um capítulo emocionante para o cosmos blockchain. O novo regime de utilidade e emissão do Atom 2.0 anuncia um novo futuro para a plataforma.

0 Comentários
Feedbacks em linha
Ver todos os comentários
pexels alesia kozik 6781008

Principais indicadores para traders de criptomoedas

pexels burak the weekender 186461

CARDANO (ADA) previsão de preços 2023 | 2025 | 2030